VOLTAR AO TOPO

Entrevista: Júlio César, estilista eco

Radicado em NY, foi o 1º a utilizar fita cassete reciclada

Publicado em 20/05/2010, por Eduardo Pedroso

Entrevistas
10 minutos de leitura

 

Nascido em Mossoró (RN), Júlio César foi o 1º estilista a utilizar o Sonic Fabric, tecido feito com fita cassete reaproveitada. Morador de Nova York desde 1993, onde mantém um ateliê de moda e decoração, enfatiza a necessidade de um ciclo consciente de produção de qualquer produto.
 
Com uma bagagem cultural variada e inspirações influenciadas principalmente pelo seu país de origem, Júlio aposta em criações coloridas para se destacar no exterior.

Nesta entrevista, ele revela os prós e contras da moda sustentável, seus materiais ecológicos preferidos, o que pensa sobre a relação cada vez mais estreita entre moda e decoração, entre outros assuntos. 

UseFashion - Como foi sua trajetória pelo mundo da moda?
Júlio César - Desde criança estive envolvido com as artes. Morei com uns amigos na minha cidade natal e os pais deles eram constureiros, então aprendi muito sem perceber. Eles sempre pediam para a gente comprar linha, tecido e coisas do tipo, não sabia que ali mesmo começara a minha escola de moda. Aprendi muito com eles.

Quando fui morar em Londres por 2 anos para estudar inglês, trabalhava em um restaurante, como todo imigrante faz. Certa noite, eles tinham uma festa de Dia das Bruxas, então cada funcionário tinha que escolher uma fantasia e eu era o Drácula.

Como não tinha dinheiro para comprar a fantasia, decidi fazer eu mesmo. Comprei o tecido e por falta de máquina, grampeei tudinho, imaginei que cada grampo fosse como 2 pontos de costura, e a fantasia fez o maior sucesso, ninguém acreditou quando falei que era tudo grampeado.

Quando vim morar nos Estados Unidos, fui direto para o FIT (Fashion Institute of Tecnology), para estudar modelagem. Pouco depois, fui trabalhar em uma companhia holandesa fazendo patchwork.

UF - Você é o 1º estilista a adotar o Sonic Fabric. De onde surgiu esta ideia e qual seu objetivo com estas peças?
JC - Alyce Santoro, criadora do Sonic Fabric, é uma amiga minha e anos atrás me falou do projeto, queria a minha ajuda para estudar as possibilidades de uso deste tecido, então fiz meu 1º trabalho, um banquinho para piano.

Fiz vários protótipos, como jaquetas, bandeiras e bolsas, tudo era parte do estudo do tecido. Há 2 anos, a companhia Desingtex, que tem direito à produção do tecido, me convidou para um projeto em que iriam promover o SF. Foi então que criei os itens de moda, como gravatas, bolsas, jaquetas e coletes.

UF - Quem quer criar coleções sustentáveis já encontra uma boa variedade de materiais para trabalhar ou as opções são restritas?
JC - Já existem materiais disponíveis sim, mas confesso que, comercialmente falando, fazer uma coleção só com este tipo de matéria-prima é mais difícil. O público pode não entender.

UF - Dentre os tecidos e materiais sustentáveis, quais são seus preferidos?

JC - Adoro trabalhar com o Sonic Fabric pelo visual elegante que ele tem. Gosto também do Fleece, tecido feito com garrafas Pet, pelo conforto que ele proporciona, muito parecido com o toque de um Kashmir, um luxo.

UF - Quais as maiores dificuldades em adotar materiais sustentáveis?

JC - Não vejo dificuldades em usar estes materiais. Acredito ser cada vez mais importante estimular as pessoas a mudarem de atitude, o que exige dedicação, tanto que tento fazer isso com meus trabalhos. Minha única ressalva é que considero mais fácil lidar com esta matéria-prima em países emergentes. Por razões econômicas, as pessoas são menos consumistas e levam mais aspectos em consideração antes de gastar. Em países mais ricos, as pessoas não pensam muito na hora de comprar.

UF - Além da ecologia, o que mais você gostaria de inspirar nas pessoas que conhecem seu trabalho?

JC - Sentimento de alegria e reflexão. Meu trabalho me dá prazer e quando ele inspira alegria ou curiosidade em alguém, me sinto totalmente recompensado.

UF - Acredita que artigos de decoração e moda dialogam? Como se dá este processo para você?
JC - Sim, é uma outra forma de se expressar. Decoração e moda possuem atributos semelhantes, como forma, cor, textura, etc, assim uma e outra interagem. O artista é sempre provocado pelos seus sentidos, imagino que este seja um dos aspectos que fazem esta conexão entre moda e decoração.

Grandes marcas de moda têm coleções de decoração para o lar. Ralph Lauren, por exemplo, lança coleções para a casa e moda com a mesma frequência, com tecidos bem parecidos. No meu caso, preciso explorar, descobrir novas possibilidades.

Fiz uma coleção de casacos apenas usando tecidos para decoração do lar:  sofás, cortinas, etc. Ela está em exposição no HD Expo, em Las Vegas. Foi a convite da Desingtex e foi um sucesso. Alguns tecidos eram mais difíceis de manipular por causa do peso, mas os casacos ficaram lindos. Em um diálogo inverso entre as áreas, gosto de usar kimonos para fazer travesseiros. Eles ficam lindos, exóticos e superluxuosos.

UF - Você é um brasileiro de Mossoró, que já viveu em Londres e agora está nos Estados Unidos. Como essa pluralidade cultural influencia suas criações?
JC - Influencia muito, as cores da cultura do nosso país são maravilhosas e eu coloco tudo isso nas minhas criações. Morando numa cidade como Nova York, todo estilista tende a fazer tudo meio que cinza, preto e tons sóbrios mas, se você olhar o que faço, é tudo muito colorido. As pessoas aqui acham isso original e alegre, sou 100% inspirado pela cultura brasileira.

UF - Quais são seus próximos projetos? Tem algum outro material sustentável em vista para utilizar?
JC - O próximo projeto, acredito, é o mais ambicioso até agora. Estou abrindo uma companhia em São José de Mipibu, pertinho de Natal. Lá, pretendo fazer minhas coleções que serão vendidas aqui e no Brasil. Adoro o Nordeste, encontrei vários artesãos que trabalham com Capim Dourado e produtos da terra, materiais que certamente estarão em minhas coleções.

Foto: Divulgação

Os comentários são via Facebook e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de responsabilidade dos seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião editorial do Grupo Use.


Carregando...

Top 5 posts mais lidos

@usefashion