VOLTAR AO TOPO

UseFashion Logo UseFashion Logo

Balanço DFB: primeiro dia

A diversidade da moda brasileira marcou as primeiras apresentações do evento

Publicado em 11/05/2018, por Equipe de Pesquisa UseFashion

No primeiro dia da 19ª edição do Dragão Fashion Brasil, seis marcas desfilaram suas coleções. A diversidade marcou as apresentações que transitaram entre o beachwear com toque contemporâneo da Flee, o streetwear disruptivo da Saldanha e o workwear renovado de Wagner Kallieno. Além disso, João Paulo Guedes investiu no casual com pegada moderna, enquanto Almerinda Maria apresentou um desfile elaborado e extremamente romântico. O estilista Lindebergue fechou o dia com suas propostas conceituais e questionadoras.

Flee

Para a temporada, o beachwear da Flee buscou inspiração no amor próprio e na deusa que cada mulher traz dentro de si. Entre biquínis e maiôs e peças mais elegantes para o pós-praia, como shorts de cintura alta, bodies de mangas bufantes e vestidos com aplicações, o mix deu destaque à estamparia geométrica e a uma cartela dominada pelo branco, vermelho, verde, dourado e preto. Nas modelagens, vale atentar para a diversidade, que apontou tanto cortes mais sensuais, como os mais comportados. Peças superiores com decote trapézio e assimétrico e bottoms hot pants chamaram a atenção, assim como a aplicação de bolsos utilitários. Acessórios como brincos únicos e gargantilhas em correntaria reforçaram o apelo refinado da coleção.

Saldanha

O ponto de encontro entre o windsurf e a alfaiataria é a proposta da coleção de pegada jovem e street da Saldanha. Os looks femininos e masculinos destacaram-se pelas amplitudes, assimetrias, volumes pontuais, recortes e as mesclas de tons vibrantes com preto. Entre as peças, vale citar as parkas leves, os vestidos assimétricos, os macacões com zíper frontal, as bermudas em malha circular e as sleveless shirts alongadas. Detalhamentos como amarrações, zíperes e tiras trouxeram um toque utilitário sutil. As mochilas também bordaram essa estética, através do formato saco e alça transversal.

Wagner Kallieno

Wagner Kallieno apresentou uma coleção workwear elegante, repleta de peças atuais. A ideia é fazer uma leitura da mulher dos anos 90 através de um olhar atual. Materiais elaborados como paetê, vinil, pele de carneiro fake e couro destacaram-se, assim como a cartela de cores que mescla tons neutros, como branco e nude, com cores vibrantes, a exemplo do verde neon, amarelo e vermelho. Na estamparia estão os camuflados desconstruídos e animal print. Na silhueta, a atenção vai para a valorização da parte superior do corpo através da cintura marcada com cintos grossos, das mangas assimétricas e dos decotes ousados em V e com o colo à mostra. Brincos únicos e em espiral, óculos em formato máscara e pochetes estruturadas complementaram os looks.

João Paulo Guedes

Sob a temática Ilusions, João Paulo Guedes trouxe para a passarela pela primeira vez looks femininos e masculinos. Bastante urbana e contemporânea, a coleção valorizou formas retas e volumes pontuais, além das transparências teladas, recortes e  o neoprene. Os conjuntos foram o ponto forte do mix de produtos, em variações casuais, esportivas ou propondo uma alfaiataria despojada. Vale notar também os óculos de armações geometrizas em acabamentos com brilho e fosco.

Almerinda Maria

Com uma pegada leve, romântica e bastante feminina, a coleção da estilista Almerinda Maria homenageou a bossa nova, o samba e o jazz. A base para a criação das camisas, macacões, conjuntos de top e calça, vestidos de festa e camisas foram tecidos requintados, como linho e seda pura. Além disso, as peças ganharam elaborados trabalhos em renda renascença e bordados richelieu. O cuidado foi transposto também aos detalhamentos em laços e acabamentos. Na cartela, o branco, rosa e tons de bege reforçaram a delicadeza das propostas. 

Lindebergue Fernandes

Com nome de Amor Próprio, a coleção conceitual de Lindebergue Fernandes trouxe questionamentos sobre os padrões de belezas impostos. Nesse sentido, a escolha da matéria-prima principal foi o plástico, para representar roupas que não são feitas para vestir o corpo real. Outros tecidos escolhidos foram o linho, o crepe, os veludos de malha e os denins leves.Nas modelagens, amplitudes conversaram com comprimentos encurtados, criando silhuetas folgadas mas que também revelaram bastante o corpo. Destaque para as T-shirts e regatas estampadas com letterings e com partes do corpo, para as pantalonas e bermudas cargo com toque de alfaiataria e para os bodies de manga longa, que estão entre as peças mais comerciais do mix. Os looks foram complementados por acessórios com visual minimalista e geometrizado.

Imagens: Roberta Braga, Cláudio Pedroso e Pedro Brago.

Os comentários são via Facebook e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de responsabilidade dos seus autores e não expressam, necessariamente, a opinião editorial do Grupo Use.


Carregando...

Top 5 posts mais lidos

@usefashion